Revoltas Aratacas I

Imagem1Ronco das Abelhas
(O Problema não são os nordestinos, mas o descaso dos governos para com o Nordeste)

Fazendo uma releitura da história das revoltas populares ocorridas no Nordeste no governo imperial do século XIX, particularmente “ ronco das abelhas” e “quebra quilos”, constatamos que os narradores apresentaram a versão do ponto de vista elitista sem dar maior atenção a uma causa primordial: Reflexo do analfabetismo, ignorância e miséria impostos pelas elites à classe de trabalhadores rurais.

A vida na zona rural nordestina, desde a colonização, sempre foi marcada pela cultura escravocrata sob domínio dos grandes proprietários de terra que também estendiam o seu arbítrio sobre os “ trabalhadores livres”, mantidos em condições de miséria e excluídos do acesso à formação escolar básica.

Nos episódios do “Ronco das Abelhas”, o pensamento da elite governante a respeito do povo nordestino revoltoso ficou impresso nos documentos oficiais com estas referências: “povo mais miúdo”, “gente baixa”, “a maioria da população menos abastada”, “gente da última ralé”, “sem nenhuma importância social ou política”, ou ainda, “gente ignorante e fanática  sem plano nem direção. 

Imagem2Foi nesse contexto que em 1851, os Decretos 797 – Censo Geral do Império e o 798 – Registro Civil de Nascimento e Óbito despertaram a desconfiança das populações pobres. Por que ? Porque a fixação dos editais nas igrejas Matrizes, Juizados de Paz e anúncio em jornais só estavam ao alcance do entendimento das elites aliadas ao governo.

Na memória do “trabalhador livre”, dos quilombolas e dos escravos alforriados, aqueles registros   assemelhavam-se aos registros de escravos mantidos nos livros dos cartórios. Ainda mais porque nos novos Registros, em livro único, os moradores das grandes propriedades recebiam a anotação adicional de “servo”. Sobre os negros, figurava ao lado dos seus nomes a anotação da cor. Para eles era “A lei da Escravidão”.

Não demorou para que o “zum zum zum” boca a boca se disseminasse nas vilas e cidades de cinco províncias do Nordeste: Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Ceará e Sergipe, o entendimento de que aquilo ela uma armadilha para nova escravidão dos alforriados e dos próprios trabalhadores livres. Para eles era uma questão de preservar a liberdade. Desconfiados, sempre respondiam aos curiosos sobre o barulho nas discussões: -“é apenas o ronco das abelhas” (o que originou o nome do movimento).

Armados de espingardas, foice e enxada os revoltosos atacaram os prédios e autoridades públicas, destruindo os livros de registro.

A reação do governo pacificou o movimento, mas não conseguiu identificar líderes, terminando por anistiar a todos, cancelar os decretos e adiar os seus propósitos por um período de vinte anos, embora arranjando outras desculpas para não admitir uma derrota frente àqueles “aratacas” com seus gritos de “abaixo a lei” e “morra o governo”.  O ronco das abelhas passou também pela Vila do Ingá.

Referências:

Uma História do ingá- Série Materiais Didáticos > Maria Helena  Pereira Cavalcanti >  Regina Célia Gonçalves > Rossana Souza Sorrentino > Vilma de Lourdes Barbosa SouzaWikipédia – InfoEscola. «Revolta do ronco da Abelha» – (Interpretações pessoais)

bee

3 comentários sobre “Revoltas Aratacas I

  1. Muito bom texto, com dados de fatos historicos que nao sao falados nem conhecidos da populaçao. Vamos divulgar que é muito importante quebrar o tabu e dignificar todos os brasileiros independente de cor, etnia ou lugar de nascimento!
    Valeu Geraldo! Parabens pela abordagem!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s