Conhecer a si mesmo

Conhecer a si mesmo

“Nosce te Ipsum”

Esse antigo aforismo grego “Conhece-te  a ti mesmo” inscrito no Portal da entrada do Templo (Oráculo) de Apolo em Delfos tornou-se um desafio para a humanidade e particularmente para cada indivíduo.

Embora um sem número de Filósofos já se tenham debruçado sobre o tema, não bastam as suas sábias reflexões para satisfazerem a necessidade individual da busca. Prefiro admitir a máxima do multifuncional jornalista Millôr Fernandes: Livre pensar é só pensar.

Nesse “Livre Pensar”, surgem-me 4 ideias a desenvolver: 1 Comparação individual com outras pessoas; 2 Comparação com a própria sombra do passado; 3 Inserção na realidade atual e 4  Perspectivas do amanhã.

Comparação individual com as outras pessoas

Seria um trabalho inútil por carência de informações que expressem a verdade. Em primeiro lugar porque há uma tendência em sermos demasiadamente generosos e benevolentes com nós mesmos acerca da nossa própria dimensão; e quanto aos outros, desconhecemos a maior parte das suas realidades, vivências e motivações. 

Ademais, nessa comparação, estaríamos desprovidos da necessária humildade, aventurando-nos mais a julgar os outros do que a nos focarmos no próprio julgamento. Como alguém já disse antes, comparar-nos aos outros, ou nos leva à frustração ou à soberba e nos coloca cada vez mais distantes da verdade; entendendo-se que a verdade, por definição, seja a perfeita conformação entre um objeto e aquilo que se expressa sobre ele. Portanto essa pretensa comparação não nos conduziria ao autoconhecimento.

Comparação com a própria sombra do passado  

Um olhar crítico para o passado, uma análise de cada ato, suas circunstâncias, meios e propósitos, sem dúvida nos levará a reconhecer erros e acertos além dos efeitos causados sobre a nossa própria trajetória e sobre as vidas de tantos quantos foram nossos parceiros, amigos ou dependentes legais e funcionais. Ali vamos encontrar uma necessidade de reparação impossível na via temporal; mas possível sobre as próprias mudanças a que precisamos nos submeter.

No passado, alguns poderão encontrar culpa ou justificativa para os seus feitos; mas será necessário que aflore a humildade no reconhecimento, projetando para a atualidade um questionamento inevitável: Sou a mesma pessoa? Eu seria capaz de repetir aquilo sem grande afetação na consciência? O que me resta ainda a eliminar dos conceitos preconceitos e vícios do passado? A resposta precisa ser honesta. Tal resposta nos proporcionará um parâmetro para mudanças e para o conhecimento das nossas forças interiores.  ¿Estaríamos aptos a desencadear um processo de avanço qualitativo da nossa personalidade, para encontro de conforto espiritual?

A minha opinião é que sim.

Inserção na realidade atual 

Aqui me reporto à simplicidade de uma afirmação de Millôr Fernandes: “Todo homem nasce original e morre plágio”. De fato, ao longo da vida, ou copiamos uns aos outros ou nos copiamos sucessivamente em versões autênticas ou ligeiramente modificadas.

Se a sombra do passado nos conforta ou nos assombra, faz-se necessário um posicionamento consciente e decisivo para a progressiva modificação do “eu – status quo” ante uma nova visão do Universo.

A saga do aprendizado humano, submetida ao exemplo de uma sociedade acumuladora e consumista sufoca a compreensão do verdadeiro sentido da vida, reduzindo as suas perspectivas aos pressupostos da materialidade.  Para nos tornarmos um novo ser razoavelmente equilibrado no campo espiritual, PARECER deve importar cada vez menos e SER cada vez mais.  

Perspectivas do amanhã 

A realidade atual deste mundo no III milênio assusta pelo desprezo à ética, pela relativização das leis mosaicas, consideradas divinas, e pela modesta defesa e culto das virtudes consagradas nos velhos Códigos, enquanto nos “escravizamos” submetidos às Leis, Normas e Modismos humanos.

A despeito do que fui e do que acho que sou, não devo desprezar as opiniões dos outros, mesmo que não sejam isentos; pois devem estar mais próximas daquilo que realmente sou. Isso não precisa ser confrontado, mas enfrentado com paciência humildade e perseverança, buscando na reflexão silenciosa um caminho de renovação. 

Santo Agostinho, filósofo e teólogo do cristianismo, “nos aconselha a Interrogarmos mais frequentemente a nossa consciência sobre a natureza e motivação dos nossos atos”.

Na condição de espiritualista, crente e buscador (não necessariamente espírita), encontrei respostas na leitura da questão 919 do Livro dos Espíritos, quanto à dificuldade de “conhecer-se a si mesmo”. Alli é apontado como caminho, entre outras práticas, uma análise reflexiva minuciosa e diária dos atos de cada jornada. Assim, ultrapassada a fase de revisão do passado remoto, estaremos a lidar com um “passado mais recente” quase imediato que oportuniza reparação e correção de rumo. Deste modo, poderemos suscitar a prática do amor ao próximo e do perdão, como base para o surgimento de um novo “ser” que se redime a cada dia.

Enquanto essa controvertida humanidade se debate entre o materialismo puro e a espiritualidade mal compreendida, já se firma uma casta de seres humanos científicos e tecnológicos que  buscam a conquista de novos mundos, quiçá preparando-se para deixarem definitivamente este Planeta e estabelecerem uma nova Matriz em que a riqueza seja o domínio do conhecimento e da tecnologia. Possivelmente serão ultraterrestres do futuro, inalcançáveis pelos humanos terráqueos comuns menos desenvolvidos e menos cultos. Talvez surja ali uma nova sociedade com Leis e Normas de convivência menos complexas do que essa de contradições aparentemente irreparáveis. 

Mesmo assim, ainda estarão todos em busca do autoconhecimento e de respostas para o Porquê e o Para quê, que transcendem a percepção meramente material.

José Geraldo (O Arataca) 2020

2 comentários sobre “Conhecer a si mesmo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s